David J. Phillips

Autodenominação: O povo Ocaina, cuja língua pertence à família lingüística Huitoto, tem sido associada com as os povos murui - Muinanɨ e Bora , povos com as quais manteve intercâmbios culturais no passado.

Outros Nomes:

População: 97, pessoas com mais de 14 anos: 59 (Censo de Comunidades Indígenas de la Amazonía Peruana INEI 2007).

Localização: Duas comunidades se identificam Ocaina na região de Loreto, perto da fronteira com a Colômbia(INEI 2007)

Língua: 54 falantes no Peru e 12 na Colômbia, da família linguística Bora-Huitoto, grupo Huitoto-Ocaina. Há dois dialetos: Dukaiya e Ibo'tsa. Falam Bora, Murui Huitoto e espanhol. Um dicionário, cartilhas e porções bíblicas, inclusive o livro de Génesis, produzidos entre 1964 e 1972 (SIL). Em 1952 uma estimada de 55 a 60% dos Ocaina estavam se casando com os vizinhos, Huitotos, Bora e a população local de mestiços. Descontinuaram a falar sua língua para falar espanhol, Bora e Huitoto. Hoje quase todos falam espanhol. Porém em 1998, alguns professores bilíngues foram treinado e duas escolas bilíngues em espanhol e Ociana funcionavam (SIL-peru). Estima-se que a taxa de analfabetismo é de 3% (INEI 2007).

História: A história do Ocaina está ligada à história dos Murui - muinanɨ , anteriormente chamado Huitoto e os Bora. Estas aldeias foram originalmente se instalaram na atual Colômbia , com a sua área de assentamento tradicional dos rios Cahuinarí , Carapanã e Igaraparaná, afluentes do Caquetá e Putumayo. Os Ocaina eram pouco conhecidos antes de 1886. Naquele ano os branco penetraram no seu território e descobriram que a região do rio Putumayo foi rica em seringais. Na época os povos Huitoto foram estimados de ter uma população de mais 50.000 indivíduos. Os Ocaina foram levados de sua terra pelos seringalistas, o que teria causado a morte de vários milhares deles entre o século XIX e início do século XX, quando havia 7.000 a 10.000 sobreviventes, dos quais 2.000 eram Ocaina. Posteriormente, o conflito entre Peru e Colômbia ocorreu no início de 1930 intensificou a migração Ocaina bem como outros povos indígenas da Colômbia.

Estilo da Vida: A agricultura é baseada no sistema de corte e queima e cultivar vários tipos de produtos locais, tais como mandioca doce e brava, milho, abacaxi e amendoim (SIL 2006). Os homens cuidam da limpeza e preparação do campo, plantio e colheita de coca e rapé ; enquanto as mulheres estão envolvidos no plantio e colheita da mandioca e do milho.As mulheres são responsáveis pela cultivação das roças, a preparação da comida e o cuidado das crianças e os homens caçam e pescam. Eles vendem em pequena escala os produtos banana, amendoim, milho e abacaxi na cidades de Pebas ou para a guarnição militar em Pijuayal. Nas últimas décadas o Ocaina também são dedicados à comercialização de produtos como arroz, juta ou bananas.

Sociedade: A organização social de Ocaina é semelhante ao do Bora e Muinanɨ murui. Este grupo foi tradicionalmente organizada em clãs, cada um com nomes de animais: queixada, veado e outros. Cada clã tinha um chefe. O casamento tradicional foi realizada com um membro doutro clã. Nos anos 50 do século XX 55% a 60% estavam se casando com Huitotos, Boras e mestiços. Isto tem causado alguma assimilação outros povos indígenas, em grande parte perdido sua língua materna (SIL 2006). Como os outros povos da família linguística Huitoto, os Ocaina usam tambores em dois tamanhos para comunicar por distancias para anunciar festas, etc. Os tambores, manguaré, são construídos de troncos de árvores com um buraco no lado superior e suspenso do chão por cipós das travessas de uma pequena palhoça. Um homem ficam em pé entre os tambores e os bate com marretas nas duas mãos. As mensagens podem ser ouvidas dentro de um raio de 32 km (SIL 2006).

Artesanato: Os Ocaina fabricam redes, cestos, sacolas e adornos para vender.

Religião: Os Ocaina realizam festas, nas quais cantam à jiboia. Estas ocasiões envolvem uma série de preparações e celebrações podem durar toda a noite. No passado usavam talos rapé e plantas de coca para os feriados, que de acordo com as antigas crenças representadas pessoas (SIL 2006)

Cosmovisão:

Comentário: SIL começou a trabalhar entre os Ocaina em 1952. Arlene Agnew e Evelyn G. Pike (SIL) analisaram a língua.

Bibliografia:

indigenous peoples of Brazil
Relatorio DAI-AMTB IndigenasDoBrasil
Lista das Etnias Indigenas