David J Phillips

Autodenominação: Amanagé que significa 'uma associação de pessoas' (Equipe 2002). Os Amanagé que vivem no Igarapé Ararandeuara chamam se também pelo nome do igarapé.

Outros Nomes: Amanaié, Araradeus (Equipe 2002), Amanage, Amanajé, Amanyé, Manajo, Manaxo, Manaze, Manazo (SIL).

População: 210 (DAI/AMTB 2010); 134 (FUNASA 2010); 204 (Culturasindígenas.org 2005).

Localização: Vivem no alto rio Capim no Pará em três Terras Indígenas: T I Barreirinha 2.374 ha homologada em 2006, registrada no CRI e SPU, no município de Paragominas, 86 Amanayé (FUNASA 2010); T I Sarauá 18.6 ha. ou 19 ha, no município de Ipixuna, foi homologada em 2012 e registrada no CRI, com 87 Amanayé (FUNAI 1998); T I Amanayé no alto rio Capim, no município de Goianésia do Pará, é confirmada mas ainda para identificar e planamento e delimitação em 2005 (CIMI e FUNAI).

Língua: Amanayé é da família linguística: Tupi-Guarani. Não usam mais a língua devido ao contato e casamentos com quilombolas e brancos no rio Capim, mas alguns termos da língua são mesclados ao português (Equipe 2002). Tupi-Gurani Subgrupo VIII com Anambé, Guajá, Emerillon, Ka'apor, Turiwára, Wayampii e Zo'é (SIL).

História:
Os Amanayé eram primeiramente conhecidos vivendo no rio Pindaré no norte do Maranhão (Equipe 2002). Eles resistiram as ameaças de aldeamento por alguns anos, mas a final em 1755 consentiram mudar para viver com os Guajajara na aldeia de São Francisco do Carará dos jesuítas com Padre Fay (Equipe 2002). Depois os Amanyé se dividiram em quatro grupos. Um grupo mudou-se para o rio Alpercata na divisa ente o Maranhão e o Piauí, perto da Aldeia Santo Antônio, mas miscigenaram se com os quilombolas. Outro grupo atravessaram o Rio Parnaíba e ficaram no Piauí em 1763 (Equipe 2002).

Os Amanayé que permaneceram no Pindaré e Gurupi viviam em três aldeias na margem do rio Caju-Apará, que era formador do rio Gurupi e a sua população entre 300 e 400, entre muitos mais Tembé. Em 1815 Capitão Ribeiro, cortando uma estrada entre o interior do Maranhão e o rio Tocantins, descreveu os Amanayé vivendo entre os regionais de Pastos Bons, 'destruídos depois de 50 anos de coexistência' com os brancos. No século XIX os aldeamentos forçados pelos portugueses eram em decadência conforme muitos visitantes (Hemming 1987.146). Tornaram parte das 'Diretorias Parciais', estabelecidos em 1845 para proteger os índios da exploração dos regatões, que buscaram óleo de copaíba, casca de cravo, breu e rama de abuta. Mas na realidade as 'Diretorias' os abusaram como trabalhadores doceis e baratos. Entretanto esta regime durou somente até 1889 (Equipe 2002). O Presidente de Amazonas recusou encher as cargas de Diretores, declarando: 'Considero os índios ganhar algum beneficio se eu livrá-los destes perseguidores oficiais.' O Bispo do Pará considerou os Diretores melhores fossem aqueles que nada fizeram com os índios!

No Maranhão os aculturados Guajajara, Tembé e Amanayé eram conhecidos coletivamente como os 'Tenetehara'. O Diretor Parcial em Barra do Corda controlava 2.270 indígenas. Em 1887 o Presidente do Maranhão despediu os Diretores no Pindaré por maltratar os índios. Os Amanayé eram influenciados pelos rebeles da Cabanagem para participar na rebelião. Os Guajajara rebelaram também de depois tropas eram enviados de Barra do Corda e os índios fugiram para as florestas (Hemming 1987.246-248). Neste época eram conhecidos como os Dodt com um total de 600 (Hemming 2003.721).

O quarto grupo migravam para o Pará e se estabeleceram no rios Moju e Capim e sofreram aldeamento compulsório na Missão São Fidelis no rio Capim, onde os padres os separaram dos outros índios por ser 'rebeldes'. Em 1873 os Amanayé mataram um padre, frade Candido de Heremence, e um engenheiro belga. Devido as represálias um grupo fugiu para o Igarapé Ararandeua para evitar mais contato com os brancos e tentaram cobrir sua identidade por se chamar os Ararandeua. Os que permaneceram na Missão mataram um grupo de Tembé e Turiwara em 1880. Em consequência os Tembé e Turiwara, considerados 'índios mansos', foram armados para se defender contra os Amanajé bravos. Mas os Amanayé migraram para cabeceiras do rio Capim (Equipe 2002). No fim do século XIX um quinto grupo dos Amanayé, com Anambé, foi descoberto nas aldeias dos Arapari, no rio Tocantins (Equipe 2002).

Com a formação do SPI uma expedição encontrou com 300 dos Amanajé do Igarapé Ararandeua e eram liderados por uma mulata chamada Damásia. Viviam em quatro aldeias. Em 1942 havia 17 remanescentes liderados pelo filho de Damásia. Em 1941 houve um ataque por ainda outro grupo de Amanayé vindo da região dos rios Surubiju e Carandiru contra os índios no rio Capim.

Em 1945 foi criada a Reserva Amanayé, pelo Interventor Federal, para índios no alto rio Capim, e os Amanayé ocuparam as margens do rio Candiru-Açu. Mas não foram tomadas providências para tornar efetivo esse Decreto, e, portanto, nenhuma assistência foi dada ao grupo.

Estilo da Vida:
Na T I Sarauá é uma aldeia de seis casas de 12 famílias com 72 índios. A área era cobiçada pelo fazendeiro e também pelo pescadores atraídos pelas lagoas. O Tribuanl de Justiça reconheceu em 2010 que os índios Amanayé têm direto as terra da Fazenda Balalaica que está dentro a Terra Indígena já demarcada (Equipe 2002). Em Sarauá os Amanayé vivem em casas de famílias nucleares, isoladas e cercadas por suas roças. São construídas de pau-a-pique com sala, cozinha e quarto. A principal fonte de alimento é a pesca nos numerosos rios, igarapés e lagos. A caça é importante de anta, veado, paca e capivara. A exploração da madeira e a pesca pelos regionais está prejudicando a vida dos Amanayé (Equipe 2002).

Barreirinha localiza-se no município de Paragominas, distante 140 km. Está situada sob a barreira da margem do rio Capim em uma curva que faz a correnteza rápida e funda. Em Barreirinha não usam o termo 'aldeia' mas a chama 'nosso lugar'. As dez casas formem uma vila com 12 famílias, num total de 73 pessoas. As casas são de madeira ou de pau-a-pique e cobertas de cavacos com sala, quarto e cozinha. A comunidade tem luz elétrica e televisão, produzida por um gerador a óleo diesel (JusBrasil 2002).

A caça, pesca, coleta de fruta silvestres e plantações sustentam a comunidade e fornecem uma parte para trocar com regatões para bens industrializados. A pesca é a maior fonte de alimentos. A Ilha de Poça Real na outra margem em frente à vila é usada para a criação de porcos e a pesca. As roças produzem arroz, mandioca, inhame, mamão, abacaxi e banana. Os quintais ao lado das casas produzem laranjas, goiabas, limões, açaí e outras frutas (JusBrasil 2002).

O meio ambiente da região do rio Capim sofreu danos pela exploração madeireira que também é anti-econômica, pela pecuária com baixa eficiência e pela agricultura que exausta o solo e pelo uso de pesticidas. Há um projeto de canalizar o rio Capim para ser hidrovia navegável para o transporte da argila caulim e bauxita da região Paragominas (JusBrasil 2002). O projeto foi realizado e o leito do rio foi dragado para deixar passar embarcações de calado 1.5 m.

Sociedade:
Os Amanayé vivem principalmente em dois grupos. Na T I Barreirinha 86 pessoas vivem. Os homens que trabalham nas fazendas só voltam no fim da semana. Uma escola é mantida pela Secretaria de Educação de Ipixuna, com um casal de professores que moram em Barreirinha. Em 2002 a maior problema é falta de um abastecimento seguro de água potável, a população tira a água de um igarapé. A malária é um problema e assistência médica é disponível na fazenda Jacará ou em Paragominas, que fica dois dias de viagem de barco.

Na T I Sarauá a aldeia tem seis casa de 12 famílias de 72 pessoas e mais duas famílias que vivem na Fazenda Tabatinga vizinha. Outros residem em propriedade às proximidade de Barreirinha, um grupos em Ararandeua e nas cidade de Paragomina, Ulianópolis, Tailândia e na capital Belém.

Artesanato:

Religião: Seus cemitérios estão hoje em propriedades particulares. Antigamente enterraram os mortos dentro da casa. O cemitério em Barreirinha é perto das casas. Não ritos especiais no momento do enterro, apenas rezas católicas e o túmulo é marcado por uma cruz de madeira sem nome (JusBrasil 2002). Os católicos realizam batismo e casamentos.

Cosmovisão:

Comentário:

Bibliografia:

  • DAI/AMTB 2010, 'Relatório 2010 - Etnia Indígenas do Brasil', Organizador: Ronaldo Lidório, Instituto Antropos instituto.antropos.com.br
  • EQUIPE de edição da Enciclopédia Povos Indígenas no Brasil, 2002, 'Amanyé', Povos Indígenas do Brasil, Instituto Socioambiental, São Paulo. pib.socioambiental.org/pt/povo/amanaye
  • HEMMING, John, 1987, Amazon Frontier – The Defeat of the Brazilian Indians, London: Pan Macmillan
  • HEMMING, John, 2003, Die If You Must – Brazilian Indians in the Twentieth Century, London; Pan Macmillan
  • JUSBRASIL 2002, pg 23 Seção 1 Diário Oficial da União de 12/08/2002 jusbrasil.com.br/diarios/659034/dou-secao-1-12-08-2002-pg-23
  • SIL 2009, Lewis, M Paul (ed), Ethnologue: Languages of the World, 16th Edition. Dallas, Tex: SIL International. Versão on line: www.ethnologue.com
indigenous peoples of Brazil
Relatorio DAI-AMTB IndigenasDoBrasil
Lista das Etnias Indigenas